Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O ENTARDECER

O ENTARDECER

Dos Templários para a Ordem de Cristo

 

Em 1312, o Rei de França, Filipe o Belo, por meio de uma conspiração acabou com a Ordem dos Templários em França e conseguiu convencer o Papa Clemente V a terminar com todos os Templários em toda a Europa  por meio da publicação da Bula  ‘Regrans in Coelis’, em 1314.

Mas em Portugal, o Rei D. Dinis, com uma manobra diplomática, conseguiu convencer o Papa João XXII, por meio da Bula ‘Ad ea Exquibis’ de 14 de Marco de 1319, a transformar a Ordem dos Templários em Ordem de Cristo, mantendo os mesmos cavaleiros e os mesmos terrenos, mudando apenas a sede da Ordem de Tomar para Castro Marim, no Algarve, para assim estarem mais perto dos mouros que continuavam ainda localizados no sul da Espanha, em Granada, e evitar que eles reconquistassem Portugal.  

Mas em 1356 a Ordem de Cristo voltou à casa mãe, ao Convento de Tomar.

De todas as negociações entre os Reis de Portugal e os vários Papas resultou a vantagem dos mestres das Ordens Portuguesas serem nomeados pelo Papa, dando o mestrado a membros da Família Real. O primeiro a receber este título foi o Infante D. Henrique como Governador e Administrador da Ordem de Cristo.

O Infante D. Henrique chegou mesmo  a construir, anexo  ao Convento  Tomar,  uma moradia palaciana, da qual podemos ver ainda  hoje as  suas ruínas. 

Foi dos cofres da  rica Ordem de Cristo que o Infante D. Henrique  tirou os dinheiros para custear as despesas dos Descobrimentos  e  para manter a sua Escola de  Navegação, em Sagres.  Embora a Escola de Navegação fosse o próprio Infante D. Henrique, -- onde ele estivesse, estava a Escola -- à semelhança das Escolas Filosóficas de Platão e de Aristóteles – o certo é que  o Infante veio  a morrer  perto  da Escola de Sagres, em 1460!

Devemos notar também que a Ordem de Cristo, durante o comando do Infante D. Henrique, tornou-se a Organização Militar Religiosa mais poderosa do Reino de Portugal, tornando-se ao mesmo tempo muito querida dos Papas por  os Cavaleiros da Ordem de Cristo, tornados  Navegadores  espalharem  a  Fé Cristã, na missão das Cruzadas do Ocidente.