Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O ENTARDECER

O ENTARDECER

DERRAPAGENS

 

Nos últimos dez anos, o Estado português gastou mais 77 mil milhões de euros do que devia e a dívida disparou.

Os défices orçamentais acumulados pelo Estado desde 2006 até este ano (2012)

Já totalizam 52,5 mil milhões de euros, segundo dados da Delloitte, o que perfaz uma média de  desvio nas contas públicas de quase 5% do PIB anual neste período.

Apesar de diversas medidas extraordinárias para mascarar o défice real junto da Comissão Europeia ou da troika, nos últimos anos, a realidade é que a “factura” do buraco

nas contas do Estado é a principal razão da subida da dívida pública portuguesa, que está hoje a atingir o limite do sustentável e irá ultrapassar os 120% do PIB já em 2013.

Cada vez que o Estado regista um défice (gastou mais do que recebeu) este tem de ser financiado com recurso à dívida. A tendência do desvio nas contas do Estado tem acelerado nos últimos anos. Entre 2001 e 2005, os sucessivos défices resultaram numa dívida acumulada de 24,5 mil milhões de euros, refere a Deloitte.

Na última década, os diversos executivos gastaram mais de 77 mil milhões de euros do que deviam. Um valor que é responsável por quase metade da dívida actual do país (180 mil milhões de euros).

O Governo já anunciou que vai centrar-se no corte da despesa em 2014, uma redução que será feita sobretudo nas prestações sociais e despesas com pessoal, duas componentes que representam mais de metade das despesas do Estado.

Luís Gonçalves – Economia 12-10-2012