Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O ENTARDECER

O ENTARDECER

CRITÉRIO NAS PROMOÇÕES

 

Um Principezinho procura ser dinâmico, reflexivo e espelho da nossa identidade pessoal e profissional. Resulta isso, de todo um percurso reflexivo, assente essencialmente nos diferentes modelos de educação de infância e respectivas metodologias.

Apresenta, de igual modo, algumas reflexões acerca da sua produtividade científica, simplesmente espantosa. Que contempla sempre determinados aspectos relacionados com a crise educacional que se tem vindo a verificar nos tempos que correm.

 

Todos os trabalhos aqui presentes (três), estão devidamente dotados com o objectivo de evidenciarem a evolução que decorre do processo de co-construção da nossa identidade pré-profissional, e da escolha de um líder para o projecto!

 

No júri acaba por aparecer como presidente, alguém muito metido na gestão financeira e com evidentes contornos políticos, que impõe como factor mais favorável a produtividade de cada candidato!

Os outros candidatos, de raiz meramente intelectual, torcem o nariz e nada dizem. Assim, contará muito a personalidade de cada um dos três promovíeis. Mas o critério da produtividade será decisivo na escolha, e o júri com a opinião dos jurados em presença, decidirá por maioria.

 

Todos ouvem ler esses dados pela boca do presidente do júri. É ele que começa por indicar o mais por ser, de longe, o mais produtivo. Outro membro do júri, diz que prefere um outro, embora muito menos produtivo. O terceiro membro do júri, levanta-se e indica outro, de baixíssima produtividade (quase nula), por lhe parecer com mais qualidades de líder.

 

Os dois primeiros contestam a sua quase nula produtividade! E referem que no cadastro de todos, constam as falhas de cada um no seu desempenho!

 

Presente tal cadastro, um insiste no mais produtivo e espera pela posição dos outros dois. Estes levantam-se e dizem que 

votam no menos produtivo de longe.  O Presidente do júri contesta e os outros dois não desarmam, e elevam à posição de líder do futuro grupo de trabalho, o menos produtivo. O presidente ainda contesta, mas acaba por aceitar e dar-se por vencido, afirmando que o vencedor tem poucas falhas por trabalhar muito pouco. A maioria vence!

Parece ter havido no nosso país, situações iguais a esta! Ou é confusão nossa?