Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O ENTARDECER

O ENTARDECER

A DIGNIDADE DE UM DIPLOMA

 

Para a comemoração do extinto Dia do Diploma, normalmente, e quando muito, apareciam os pais e os alunos premiados com os 500 euros da praxe. Dos outros alunos, não havia sequer notícia. Poucos se davam à maçada de perder uma tarde ou uma noite para ouvir discursos de circunstância e bater palmas aos ganhadores. Estes levantavam o diploma e regressavam a casa.

Nesta cerimónia tudo seria diferente, pressentiasse-lhe uma sabor a política!

O ex-primeiro-ministro iria entregar diplomas aos alunos para valorizar socialmente os CET, s, (Cursos de Especialização Tecnológica do IPL), nesta cerimónia de entrega de diplomas aos alunos do nível IV. Deste jeito pretendia-se incentivar os portugueses que não terminaram os seus estudos, a inscreverem-se nestes cursos que conferiam uma qualificação profissional e permitiam o acesso ao ensino superior. Também se queria valorizar o “amor à escola” e aumentar a confiança dos professores.

     

O Senhor Primeiro-Ministro vinha revelando uma notória obsessão com esta palavra conhecida por “Diploma”. Por vezes custa a entender estas coisas! Custa, principalmente quando um Presidente do Brasil se orgulha de ter sido um simples operário. Afirma mesmo ser esse o seu melhor diploma. Todavia, recolhe a admiração e simpatia da grande maioria dos brasileiros.

A escolaridade é importante, mas, um país cheio de problemas como o nosso, não pode dar-se ao luxo de arvorar uma bandeira (a educação) que só daqui por muitos anos, noutras condições, nos pode resolver problemas que têm de se resolvidos “hoje”.

Se dar diplomas, mesmo que “eufemisticamente”, resolvesse os nossos problemas, então o Senhor primeiro-Ministro daria instruções ao ME para enviar a cada português que ainda o não tivesse.

O pior é que tudo isto não passou de eleitoralismo! Numa manobra que acabou por desacreditar o ensino. Um diploma é o maior símbolo do mérito, mas, deixa de sê-lo quando o seu significado é vulgarizado. Quando a escola deixa de “chumbar” e passa a distribuir “a esmo” diplomas atrás de diploma.

Simultaneamente o Senhor Presidente da República, ao anunciar a Jornada do Roteiro para a Juventude, indicou que iria agraciar um casal de jovens agricultores, com baixa escolaridade, mas que está à frente de uma exploração leiteira de sucesso.