Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O ENTARDECER

O ENTARDECER

A Clonagem

Todos sabemos que a clonagem é a cópia, ou a duplicação, de células ou de embriões a partir de um ser já adulto.

 

A figura da MARIGROSSA, nome fictício, reproduziu-se nas últimas dezenas de anos em milhares de seres completamente iguais, todos dedicados de alma e coração ao “Sistema”.

O que me parece mais estranho é que toda esta reprodução de «clones» não se processou da forma conhecida, mas de outro processo que, ao que julgo saber, não vem nos compêndios.

 

Têm um processo de formação totalmente exógeno, ou seja, conduzido por factores exteriores.

 

São produto de condições criadas de forma muito hábil, não se sabe bem por quem, e que funcionam como a isca posta no anzol para apanhar os peixes. Aqui o segredo passa pela constituição de tal engodo.

 

A isca e o engodo constituem, não promessas feitas, mas insinuações e pequenas recompensas, que poderão ir aumentando de valor intrínseco.

 

A oferta desse produto aos humanos, passa por um fenómeno parecido com o que acontece entre o macho e a fêmea em fase de encantamento.

 

A fêmea poderá representar, quando bela, o engodo. Contudo nada funcionará sem que através de um rubor na face e várias trocas de olhares algo comprometedores, mas bastantes esclarecedores, seja entendida a vontade de namoro ou algo mais. Existe como sempre o perigo de adultério ou mesmo o aparecimento de desconfianças que podem colocar em perigo o segredo jurado pelas trocas de olhares meigos, coniventes e promíscuos.

 

É assim deste modo que foram reproduzidos os milhares de clones a partir de uma primeira MARIAGROSSA ao serviço do famigerado “Sistema”.

 

Uma vez apanhado no anzol, o «clone» assim nascido jamais abandona o meio ambiente que o fez nascer, antes pelo contrário, torna-se cada vez mais servil e as recompensas aparecem como ele sabe, de todas as formas e valores.

 

Há medida que o tempo passar, tais «clones» vai ficando totalmente dependentes do “Sistema”. A sua semelhança com os toxicodependentes é total.

 

Esta gente pouco ou nada tem a ver com o povo, embora andem no meio dele, guardando o segredo num bolso que nunca abrem, nem está roto.

 

A partir daí quanto mais eficientes forem na denúncia, na mentira e na falta de escrúpulos, mais sobem na vida.

 

Muitos vão longe. Onde nunca esperaram ir. Os seus familiares também.

 

As pessoas alheias ao “Sistema” interrogam-se;

Como é possível, tanta sorte? Só eu não tenho nenhuma!

 

Longe ou perto não há «clone» que não sinta segurança na vida.

 

Não pode é pensar. Se por acaso o fizer então que não o diga.

 

Remorsos também são proibidos. Dormir bem é muito necessário, pois grande parte do trabalho é feito a coberto da noite!