Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O ENTARDECER

O ENTARDECER

A VIRTUDE E A CORRUPÇÃO

 

Oliveira Martins criou-se no meio de Lisboa democrática da década de 1860. O autor então mais em voga era Alexandre Herculano. Herculano não era associado com uma escola literária (por exemplo o “romantismo”), mas com uma visão do mundo determinada acima de tudo por duas categorias siamesas: “virtude” e “corrupção”. Herculano achava que a vida colectiva portuguesa, estava <corrupta>, que a liberdade se perderia por causa disso e que só com <virtude> se poderia manter uma nação livre. A <corrupção> era o resultado de facciosismo e da concentração nos <interesses materiais>. A <virtude> que faltava era a da devoção cívica. O impacto em Oliveira Martins desta maneira de ver as coisas pode-se atestar pelo romance histórico Febo Moniz, de 1867.

Martins mostra aí como um político virtuoso, isolado entre a aristocracia egoísta e a plebe demagógica, falhou na sua tentativa de manter a liberdade colectiva. Numa “Nota Final” ao livro, explicava o que competia fazer para evitar uma tragédia semelhante: fortificar-nos pela moralidade e pelo civismo, engrandecer-nos pela ilustração e pela riqueza.                

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D