Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O ENTARDECER

O ENTARDECER

LIBERAIS E ABSOLUTISTAS

 

Os liberais desembarcam em Portugal pela mão de D. Pedro, que defrontava o seu irmão D. Miguel, líder dos absolutistas, em acesa guerra civil!

Se os absolutistas detinham o poder em Portugal desde que este país foi tornado independente, já os liberais acarretavam em si mesmo, algo profundamente novo, ou seja, muita ideologia. Todavia as ditas Guerras Liberais, trouxeram ao nosso país, navios com idealistas professos desta nova ideologia, mais propriamente o Liberalismo. É aqui que se levanta o problema: “O que é o Liberalismo”?

Ainda hoje poucos definem com exatidão a suposta carga ideológica que o termo acarreta! Tal vocábulo (liberalismo) envolve um complexo de significações onde entra uma certa atitude vital no comportamento corrente, e uma visão global do mundo e da vida; um movimento de ideias; um sistema de organização política, social, económica e até religiosa com as instituições que lhe são próprias etc. O termo que é posterior à realidade por ele designada, deriva do  espanhol.” Liberales” que à volta de 1808 já era sinónimo, no singular, de «tolerante» e que nas cortes de Cádis de 1812 logo revestiu matiz claramente política. A sua exportação para Inglaterra, de onde a ideia e o sistema tinham sido importados, data de 1816, quando Southey fala dos ” British Liberales”.

Julga-se existir em Portugal, uma noção sobre palavra liberalismo, associada às guerras liberais e às décadas seguintes. Também parece que as pessoas tomam por liberal uma pessoa aberta a mudanças.

Se tantas dúvidas existem, ainda hoje, sobre o termo “Liberalismo” como seria nos tempos em que essa guerra fazia ferver o calor humano em Portugal! Desde há muito se conta que, em plena guerra, um soldado encontra na rua, um idoso ancião, de tez muito carregada, e pergunta-lhe:

“Bom homem, quem queres tu que vá ganhar esta guerra, D. Pedro ou D. Miguel de Bragança”?

O pobre homem tira da cabeça um velho carapuço e responde meio confuso:

“Nem Pedro nem D. Miguel de Bragança, andaram os dois na mesma pança e eu não me entendo com esta dança”