Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O ENTARDECER

O ENTARDECER

É TUDO FARINHA

 

DO MESMO SACO

 

O discurso de Ano Novo do nosso Presidente, não foi ao cerne dos problemas, sendo paternalista, tutelar e acima dos partidos. É que há momentos para tudo. Este momento natalício está bom para sopas quentes e várias camadas de roupa. Entretanto, parece que o Estado financia fraudes no desporto! Ordenados escondidos ao Fisco, Férias à borla, seguros suspeitos, atletas a terem de pagar, sem direito a recibos, para representarem Portugal! Em segundas páginas, lá vem dizendo que Costa desvaloriza qualquer polémica sobre os bilhetes pedidos ao Benfica por Centeno. Noutra página lia-se: “Rouba e viola idosa de 85 anos em casa”! Num ano “saboroso” tem de haver de tudo! Para deixarmos este tema, acabamos com outro título: “Morto” acorda na morgue”.

Sugiro aos leitores que, mesmo sem dúvidas, procurem sempre o oculto! Por exemplo verifiquem a tabela do IRS para 2018. Olhando bem, verificarão ser praticamente igual à do ano anterior! Não confundam com “Governo anterior”!.

Assim, podem ver também que todos os que auferem abaixo dos mil euros, continuam a ser penalizados!

Vamos agora, abordar assuntos muito mais sérios: Os vários números da economia, emprego, finanças etc., com que lidam os políticos e os empresários, são na maioria de vezes controversos, ambíguos e ilógicos, aparentemente! Porém, melhor que os empresários para gerirem estas coisas, não há! Também, porque eles estão habituados a gerir aquilo que é seu e não o que é dos outros, melhor dizendo do povo, como os políticos.

“ Segundo a comunicação social, o emprego na restauração subiu para 8,7%. Há mais 14653 postos de trabalho, mas a receita proveniente deste sector baixou 47,9%! Isto porquê? Porque o IVA do sector baixou de 23% para 13%, em Julho de 2016. O Fisco também arrecadou menos 159,3 milhões de euros. Há aqui contradições aparentes e compensações feitas noutro tempo. Uma coisa é certa: A ligeireza com que se lançam impostos (directos e indirectos) perante uma dimensão irrealista dum ESTADO muito mal gerido, prejudica o povo. Enquanto isso, os vários governos, uns mais que outros, vomitam taxas de emprego, crescimento económico, défices etc. Sem deixarem aos portugueses a possibilidade de interpretarem tais taxas! Como é possível isto? Se perguntarem aos portugueses por exemplo quais são as seis maiores actividades económicas e que mais influenciam a taxa publicada para a economia, ninguém vai responder direitinho…. Assim, tais taxas servidas à população, não passam de um embuste ou talvez, de um malabarismo muito esquisito.