Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O ENTARDECER

O ENTARDECER

AZULEJOS PORTUGUESES NO BRASIL

Jorge Barradas fez parte da geração que formou os grupos de Paris, Lisboa e Porto, que no começo do século introduziu as novas linguagens da representação plástica … .

Barradas torna-se num dos nomes de maior evidência, pois através da caricatura e da ilustração permanecia constantemente nos jornais da época, com os seus temas citadinos e cultura popular.  Trabalha com aguarela, guache, têmpera e, a partir de meados dos anos 20, passa, com os dois painéis da Brasileira do Chiado, a dedicar-se também à pintura. Na sua obra nota-se imediatamente uma identidade entre todas as manifestações plásticas, do desenho à cerâmica, mantendo a poética intacta, através dos suportes e dos anos. A característica principal do conjunto é a delicadeza de traços e sentimentos, também um profundo apego às fontes básicas da cultura portuguesa. No que se refere a obras tridimensionais, estas só surgem quando trabalha com o suporte cerâmico e, portanto, a partir dos finais dos anos 30.

No Brasil, alguns painéis em azulejo mostram que as marcas do colonialismo português ficaram por todos os lados. Na culinária, na moda, no idioma e nas paredes.
Nos principais núcleos urbanos, os belos azulejos portugueses ornamentam importantes edificações, como a Ordem Terceira de São Francisco de Salvador (Bahia) e a Igreja do Outeiro da Glória (Rio de Janeiro). Em Portugal, a arte da azulejaria é tão valorizada que ganhou um museu próprio: o Museu Nacional do Azulejo, instalado em 1980 no Convento da Madre de Deus, em Lisboa.


A sede do Colégio 2 de Julho, imponente casarão em Salvador, abriga uma relíquia artística única no país. Espalhados por vários cómodos, 21 painéis retratam, com riqueza de detalhes, o estilo neoclássico.
Em Campinas temos influência Portuguesa em alguns imóveis mais antigos, um exemplo de imóvel importante e tombado é o Palácio dos Azulejos, que tem as suas origens no apogeu da economia cafeeira paulista. Trata-se de um património histórico e arquitetónico tomado tanto pelo Iphan, como pelo Condephaat e Condepacc, ou seja, nas instâncias nacional, estadual e local.