Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O ENTARDECER

O ENTARDECER

A PROCURA DA IGUALDADE

 

De José Manuel Bessa Mendes a 3 de Outubro de 2012 às 23:52

A China vista por um português
A deslocalização do aparelho produtivo de ocidente para oriente é um processo decidido no ocidente, gerido pelo ocidente e controlado no oriente, mesmo na China, pelo poder financeiro ocidental.
O ocidente e designadamente a Europa são o destino mais desejado pelos orientais e pelas mercadorias orientais. Chineses, Vietnamita, Tailandeses, Indianos, etc. Procuram fazer vida no ocidente, alguns pagando com a vida.
A china e o oriente em geral concentram a maior parte da indigência da humanidade. A parte rica que concentra triliões de dólares está atulhada em corrupção de proporções de que o ocidente não tem memória. A agiotagem é o ar que respira esses novos-ricos. Essa classe em ascensão não tem maturidade ética e está prisioneira do sistema financeiro internacional controlado pelos ocidentais que estão a capturar a China e os países emergentes.
As contradições internas que estão a ser geradas no interior da China levarão mais cedo que tarde à implosão da ditadura chinesa e a modificações inimagináveis. Os movimentos sociais, as greves, as contestações já em curso há muitos anos e triunfarão.
A Europa é o espaço de liberdade e segurança mais evoluído do mundo para ser habitado por homens dignos, livres e esclarecidos.
O oriente está a fazer o seu caminho e encontrar-se-á com o resto do mundo em igualdade de dignidade, mas o percurso vai ser muito longo, sinuoso e contraditório. Todos terão de aprender muito uns dos outros com a humildade dos homens grandes.
A globalização não será a humilhação de uns por outro, mas a procura da igualdade através de todas as diferenças.
A guerra, a fome, a doença, a mordaça, a indignidade são para expurgar da humanidade através da inteligência humana.
O desígnio da humanidade é o prazer de viver. O lazer e o trabalho só têm sentidos, acompanhados de saudável prazer. A sociedade do lazer é o futuro.
É forçoso ser livre para contribuir para a felicidade da humanidade e demais seres vivos. Lutemos todos para aumentar e reforçar a liberdade no mundo.

De José Manuel Bessa Mendes a 3 de Outubro de 2012 às 23:52